Skip to content

Entrevista: Sugar Kane – Capilé explica hiato e turnê de despedida após 17 anos na ativa

Por Lázaro H. Cândido

10371926_840471119318820_268681435699536489_n

A banda curitibana Sugar Kane anunciou, recentemente, um hiato após 17 anos de carreira.

A banda explicou que o motivo dessa pausa é a agitação de outros projetos dos membros da banda, como o baterista André Dea (Pindé) que comanda as baquetas da Vespas Mandarinas e o guitarrista Rick Mastria que toca com o Dead Fish. Entretanto, para a alegria dos fãs, a SK também divulgou que irá fazer uma turnê de “despedida”. Ainda, para acalmar os amantes do Hardcore, completaram dizendo que a máquina Sugar Kane não irá parar, será apenas um tempo de “férias”.

Fizemos uma entrevista com a banda por intermédio do seu vocalista Alexandre Zampieri (Capilé), para saber o que ele tem a dizer sobre essa ”turnê de despedida” do grupo.

Confira a íntegra abaixo:

Vocês recentemente divulgaram que irão entrar em um “hiato”, após 17 anos nos palcos. Explicaram nas redes sociais que as agitações de outros projetos, dos membros da banda, poderiam atrapalhar o andamento da Sugar Kane. Depois de 17 anos de carreira a Sugar Kane conseguiu mudar algo no mundo sem mudar o seu amor? Conseguiram trocar o suor de vocês por algo de valor?

Como você conhece essa musica? Hahahaha ela é um b-side raro. Boa pergunta. Acredito que mudamos algo sim, tanto no mundo quanto no amor, pois só tendo muito amor ao que faz pra ficar 17 anos tocando rock – independente – num pais como o nosso, mas valeu a pena. O nosso suor valeu a pena sim, por mais que o valor agregado a nossa vida não seja especificamente o financeiro, ganhamos muito tocando, minha vida seria uma tédio se o SK nunca tivesse existido.

Este trecho está fora do contexto, mas se relacionarmos ele aos anos de carreira da banda, realmente valeu a pena?

“A única coisa que quero que lembre

É que nunca vou me arrepender

daquilo que fomos”. (Despedida – Continuidade da máquina).

Claro, é um sonho realizado a história do SK, eu mal consigo imaginar como eu estaria sem ter tido a banda em minha vida. O SK me apresentou quase tudo que mais me orgulho na vida, além da experiência de tocar com grandes pessoas, conhecer ídolos e até ganhar dinheiro com isso.

No álbum “Por nossa paz”, de 2001, vocês cantavam na música “Contra todos” que a TV contava sempre a mesma história mentirosa, escondendo a verdade. Acham que a Internet contribuiu para trazer à tona alguma verdade ou a “Ignorância Pluralística” ainda impera?

Eu acho que a internet contribuiu sim, pois antes dela a informação era muito mais restrita e centralizada. Claro que tem muita merda que roda por ai, mas não é por isso que não devemos tirar o valor que a liberdade da informação teve pós-internet. Eu mesmo aprendi muito com ela e tive acesso a muita coisa que não teria sem a mesma. A ignorância Pluralística é paralela a isso por enquanto, e impera – principalmente no Brasil-, terra da revolta sem informação.

Sobre o movimento Hardcore e sobre a política no Brasil, a máquina de vocês vai parar, vão desistir, ou ainda sonham com uma máquina que sonha colorido?

Afinal:

“Continuam a roubar, continuam a mentir

Continua a impunidade e nada acontecerá

É a vitória do mais forte sobre o fraco

É o enterro dos nossos valores e da moral

Da nossa moral, da nossa ingenuidade

Da nossa liberdade”. (Algum valor – A máquina que sonha colorido).

Nossa máquina não vai parar, vai só pra revisão. Continuamos sim sonhando

colorido, e temos certeza de que o que virá será melhor que recuar, será viver.

O Rick Mastria irá se dedicar ao Dead Fish, o André Dea (Pindé) à Vespas Mandarinas e quais os planos do Igor, um retorno do Cueio Limão seria possível? E os seus Alexandre Capilé, o seu projeto na Water Rats continua?

Bem, quanto ao Igor (Moderno) não sei quais são os planos, o Cueio tá parado e fazendo somente alguns shows esporádicos, mas com certeza ele deve se envolver em alguma banda logo. Eu continuo sim com o Water Rats, que lançou disco agora faz 2 meses pela Laja Records em uma tour pelo USA, mas é um projeto que não rola sempre, pois moramos em cidades diferentes e dependemos muito da agenda, rola apenas alguns meses por ano. Eu tenho planos e lançar uma nova banda durante essa pausa, já estou compondo, mas nada ainda muito concreto, agora o foco é finalizar a tour de despedida.

Vocês farão um show na Diablo Pub em Goiânia, e neste dia será o seu aniversário Capilé. Por isso, te pergunto: o que quer de presente dos goianos? Antes da resposta, digo que o presente será nosso em recebê-los nessa turnê de “Até logo”.

Valeu pelas palavras. Eu quero de presente que a galera compareça e nos transmita toda energia que puderem, vamos dar nosso melhor e esperamos sempre um bom show quando vamos à Goiânia. Eu prometo a melhor festa de aniversário de todas.

———————————————————————————————————————————-

O Sugar Kane irá incendiar a Diablo Pub dia 25 de outubro, às 22hs, com abertura da Atomic Winter. A turnê já tem datas agendadas em Fortaleza, Santa Catarina e São Paulo, onde acontece o último show no dia 14/03, no Hangar 110.

Ingressos: Meu Bilhete.

Para contratar a turnê de despedida da banda: rafaelpiu@gigmusic.com.br

(Datas disponíveis até 14 de março de 2015).

Vejam abaixo o clipe da música “Fui Eu”, do álbum “Ignorância Pluralística”, (nome bem sugestivo para o momento que vivemos):

Slash confirma seis shows no Brasil em 2015

535615_10150708289062439_2044997612_n

Em março de 2015 Slash e sua banda Miles Kennedy & The Conspirators vem ao país com a turnê do álbum “World on Fire”, as apresentações inclui seis capitais.

O novo álbum “World on Fire” será lançado no Brasil no dia 27 de outubro. A turnê ainda em início chega com Miles Kennedy & The Conspirators que é composta por Myles Kennedy (vocal), Brent Fitz (bateria) e Todd Kerns (baixo).

Confira as datas:

14/03 – Rio De Janeiro – Fundição Progresso
15/03 – Belo Horizonte – Galopeira
17/03 – Brasilia – Net Live
19/03 – Curitiba – Master Hall
20/03 – Porto Alegre – Pepsi on Stage
22/03 – São Paulo – Espaço das Américas

**Informações sobre ingressos para o show em Brasília**

Valores:

Premium: R$320 (meia)

Pista: R$180 (meia)

Vip Open Bar: R$400 (meia)

Valores de primeiro lote.

Vendas: BSB Musical (Asa Norte, Lago Norte, Taguatinga) e loja Goiânia, online pela Net Live Brasília,Free Pass e Ticket Brasil.

Mais informações: slashonline.com

Kings of Leon, MGMT, Paramore e mais no Circuito Banco do Brasil em São Paulo

Depois de passar por Belo Horizonte e Brasília com shows de Linkin Park, Panic! At the Disco, Skank e outros (confira aqui como foi), o Circuito Banco do Brasil agora segue com mais uma edição em São Paulo.

995070_633437546771511_7585855816751616861_n

O evento acontece no dia 01 de novembro no Campo de Marte, o line-up conta com Kings of Leon, MGMT, Paramore, Skank e Pitty. Além dos shows, o festival promove a Copa Brasil de Skate Vertical, com competições de skatistas de todo o Brasil.

Os ingressos já estão em 3ª lote e estão sendo vendidos pelo site Tudus ou na bilheteria do Estádio do Pacaembu, na Praça Charles Miller. 

Pista : R$ 150 (meia) / R$ 300 (inteira)

Pista Premium: R$ 275 (meia) / R$ 550 (inteira)

Lounge: R$ 700 (meia) / R$ 900 (inteira)

Confira os horários dos shows:

  • 13:00 Abertura dos portões – Início das atividades de Skate
  • 15:15 Helga (banda vencedora do Voz Para Todos)
  • 16:15 Pitty
  • 17:45 Skank
  • 19:15 MGMT
  • 20:45 Paramore
  • 22:30 Kings of Leon

Mais informações: circuitobancodobrasil.com.br

Interpol divulga clipe para “My Desire”

interpol

Faixa presente no mais recente álbum do grupo nova-iorquino, “My Desire” é o terceiro vídeo de trabalho retirado do “El Pintor”. No clipe, um homem em um bar escuro revê algumas fotos enquanto tem visões. O Interpol se apresenta logo alí do lado.

Confira:

Circuito Banco do Brasil: Linkin Park fecha festival com show recheado de sucessos

1503829_1560209610880506_1508412846606601423_nFoto: Anderson Alves

E mais uma etapa do Circuito Banco do Brasil foi muito bem recebida em Brasília, mais de 20 mil pessoas foram ao estacionamento do Mané Garrincha conferir de perto as atrações, algumas até madrugaram na fila só pra ver seu ídolo bem de perto.

FilipeMarquesFoto: Filipe Marques

A ótima estrutura montada e os shows começando exatamente no horários previstos, foram os destaques do festival, assim como em 2013, onde conferimos em Belo Horizonte e Brasília, esse ano a equipe mostrou total dedicação para que o evento pudesse agradar ao máximo. Foram distribuídos até alguns ‘bancos’ para que a galera pudesse descansar e recuperar a energia para o show.

DiegoPadilhaFoto: Diego Padilha

Começando às 15h com competições da Copa Brasil de Skate Vertical e com o calor de 37 graus da capital, não desanimou ninguém, o público espalhado pela área já era grande e acompanhou o Roni Gomes vencer em primeiro lugar a competição, o paulista também tinha ganho em 2013. Em segundo ficou Dan Pardinho (SP) e em terceiro lugar Edgar Pereira (SP).

1234877_577848822340721_4864260631927011536_n

Os cariocas da Hover, selecionados pelo Concurso Voz Para Todos, abriram o festival em grande estilo e agradou bastante o público presente. A banda ainda convidou Gustavo Bertoni, já conhecido na cidade pela banda Scalene.

10426089_577850395673897_8068015174425271073_n

A Plebe Rude foi a banda a se apresentar logo em seguida com um show histórico, e não podia ser diferente, a banda já tem história no rock de Brasília, e tocar ao lado de Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá é sem dúvida um marco. Começaram o show mandando “Brasília”, após mais algumas músicas da Plebe, convidaram Dado Villa-Lobos para subir ao palco e juntos tocaram ”Proteção” e ”Pressão Social”. Logo em seguida foi a vez de Bonfá se juntar ao grupo e tocar grandes sucessos da Legião Urbana, ponto alto do show, todo mundo com ”Conexão Amazônica”, ”Será”, ”Tempo Perdido” e ”Que País é Esse” na ponta da língua.

10352757_577851242340479_2333329334061606868_n

É incrível como o Skank consegue animar todas as gerações, você analisa o set list e percebe que a banda só tem hits, mesmo com o passar do tempo e com um disco que foi lançado recentemente, as músicas são cantaroladas por todos. A banda começa o show com o clássico “Uma Partida de Futebol” com o Estádio Nacional alí do lado e fãs pulando o tempo todo, mesmo com um calor insano. Samuel declara que é bom tocar novamente na verdadeira capital do rock, e pra fechar com chave de ouro, manda “Vou Deixar”, pra platéia enlouquecer ao som.

10647043_577854339006836_2840241999566778850_n

As duas atrações internacionais da noite desembarcam pela primeira vez em Brasília, e claro, fãs todos ansiosos pelas apresentações. A música une e a prova disso era o desfile de pessoas de todo o canto do Brasil que escolheram Brasília pela fama de “capital do rock”.

10711020_1560192964215504_6842919251585057924_n

Lembra daquele clipe “We Are Golden” do Mika? Era daquele jeito que estava o vocalista Brendon Urie com o Panic! At the Disco, quando subiu ao palco às 20hs, tem uma presença de palco forte, demonstrou estar contente em tocar em Brasília, e agradou até alguns que não estavam se importando muito com o show ao mandar um clássico do Queen, o cover de Bohemian Rhapsody. O grupo mandou boa parte de músicas do último disco lançado, “Too Weird to Live, Too Rare to Die!”, com exceção dos fãs, muita gente ficou perdida até tocarem Nine In The Afternoon e Nearly Witchesalguns dos hits que marcaram o grupo poucos anos atrás.

10647002_577855189006751_8282565848187238222_n

O Linkin Park não é mais aquela banda que emplacava sucessos nas rádios e chegou a vender milhões de cópias de um único álbum, mas a banda que já ganhou premiações com título de “Melhor Performance ao Vivo”, realmente agrada nesse quesito. 

Começando pontualmente às 22hs, a banda sobe ao palco com muita energia e o que se ouve da platéia é só gritos de uma galera que esperava animada pelo show. Mandando as músicas do álbum “The Hunting Party”, Chester Bennington ainda tem fôlego e não desanima. O novo trabalho é um pouco mais pesado e a banda faz um mix com música eletrônica, o cenário é incrível, bastou um passeio e quando estava lá atrás ainda tinha uma visão espetacular de todos os efeitos utilizados.

10703498_577855242340079_8199101933696341205_n

Durante 1:40h de show, foram poucas as vezes que alguém parava, todos curtindo ao máximo, o ponto forte foi o final com a banda mandando ”Numb”, ”In the End” e ”Faint”. Chester ainda agradeceu ao público e voltou com o bis tocando ”What Ive Done” e ”Bleed It Out”.

O Circuito Banco do Brasil sem dúvida vai ficar na memória de muitos por algum tempo, mais uma edição espetacular em Brasília. 

Próxima Parada: Kings of Leon, MGMT, Paramore, Skank e Pitty – Circuito Banco do Brasil ~ São Paulo

Confira a galeria completa das fotos na fanpage clicando aqui. Cliques por Anderson Alves.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.